No passado dia 11 de Novembro de 2019, a JSD Distrital de Lisboa realizou a 7ª visita/reunião do projecto “Humaniza-te”, à Casa das Associações para conhecer os projetos Pegadas, Movimento Claro e a Catharsis Emotional Arts.

A associação “Pegadas” trabalha a vertente social, sendo uma Associação católica de campos de férias composta por cerca de 80 jovens voluntários (18-25 anos), que desde 2008 colabora com 5 instituições sediadas em bairros municipais nos arredores de Lisboa. Realizam 4 campos de férias anuais totalmente gratuitos, com intuito de contribuir para a integração societária dos jovens participantes e potenciar o seu desenvolvimento pessoal. Sendo um projecto católico apresenta como missão a aproximação de diferentes realidades através dos afectos e de acordo com os valores cristãos.

O “Movimento Claro” é uma associação juvenil que tem como objectivo sensibilizar para o problema do plástico descartável nos oceanos, actuando nesse sentido em diversas frentes. Inspirado numa campanha de sucesso realizada por surfista da zona da Cornualha em Inglaterra, mas sendo uma tendência de cariz transversal a nível global no sentido de alterar para o perigo dos plásticos descartáveis. Face à evolução positiva do projecto, o Movimento Claro evoluiu para uma Associação Juvenil em Junho de 2018, trabalhando com o sector HoReCa, com empresas e seus fornecedores, e actuando igualmente junto do público com inúmeras actividades de consciencialização em escolas, organiza o EcoCascais, trabalhando igualmente em parceria com a Câmara Municipal de Cascais e a Junta de Freguesia – Cascais e Estoril (tendo tido um contributo forte para que se tornasse na primeira junta de freguesia sem utilização de plástico a nível nacional).

A “Catharsis Emotional Arts” é uma associação que tem como objectivo criar impacto e transformação através da arte, dando enfoque às artes performativas e visuais, trabalhando com jovens desfavorecidos. Tem como missão servir a comunidade, criar objectos artísticos, promover a cultura e provocar emoções. Definem-se como um colectivo ecléctico de artistas sem barreiras geográficas, tendo como palco a aldeia global é o nosso palco e cujo compromisso é a transformação através da arte.

Foi com muito gosto que observámos o trabalho impactante de cada um destes projectos, bem como a dinâmica criada pelo ambiente de cowork que se proporciona por trabalharem diferentes projectos no mesmo espaço.

A JSD Distrital de Lisboa agradece a receptividade demonstrada por todas as associações.