Em Cascais, a questão da mobilidade divide-se em duas grandes vertentes: a circulação no litoral, e a circulação no interior do Concelho, cada uma com as suas características próprias.

Começando pela primeira, esta é maioritariamente assegurada pelo comboio suburbano da Comboios de Portugal. Este comboio faz assim a travessia ao longo de todo o Concelho, permitindo a circulação longitudinal dos utentes de Cascais a Carcavelos, continuando depois para os Concelhos de Oeiras e Lisboa.

Relativamente à segunda, até há bem pouco tempo esta era assegurada exclusivamente por um operador privado: a Scotturb. Contudo, e após persistirem graves problemas de mobilidade que afetavam as populações do interior do Concelho, a Câmara Municipal de Cascais lançou o seu próprio programa de mobilidade: a MobiCascais. Este programa veio assim responder às necessidades desta população, complementando o serviço já existente, permitindo uma maior circulação não só entre localidades no interior, mas também para o litoral, a preços mais acessíveis.

Mas nem tudo são rosas. Apesar de representar 20% de todos os passageiros da CP, a Linha de Cascais não está integrada nas restantes através da Linha de Cintura, tendo uma tensão elétrica distinta de todas as outras (datada dos anos 20 do século passado). O desinvestimento na linha de Cascais é gritante, e a degradação do material circulante – os comboios mais recentes têm mais de 30 anos, sendo que alguns chegam aos 50 e 60 – leva a constantes falhas e interrupções de serviço, às quais não ajuda que o número de comboios em circulação tenha sido drasticamente reduzido nos últimos anos.

Veio agora o Governo anunciar a ligação da linha de Cascais à linha de Cintura no PNI 2030. Parece que as obras nesta linha são como a incompetência do Governo: Intemporais.

Francisco Canas, Vice-Presidente da JSD Distrital de Lisboa

Nuno Tirapicos, Secretário-Geral Adjunto da JSD Distrital de Lisboa